Tanatofobia: sintomas, características e tratamento

Na medicina e na psicologia, o termo “fobia da morte” indica a fobia de morrer. Como o simples “medo” da morte é um sentimento muito normal, para entender completamente o problema é necessário primeiro entender o significado da palavra “fobia” e como uma fobia difere de um “medo” normal.

O que é uma fobia?

A fobia é um distúrbio caracterizado por uma resposta de medo irracional e muito forte quando exposta a objetos ou situações específicas, bem como uma tendência a evitar teimosamente e sistematicamente os objetos ou situações temidas.

Assim, a fobia engloba tanto uma reação de medo na presença (ou expectativa) de objetos e situações particulares, quanto um comportamento de evitar o contato direto com os próprios objetos ou situações.

Qual é a diferença entre fobia e medo 'normal'?

A diferença com o medo "normal" é que o último é racional, enquanto a fobia é irracional.

Por exemplo, uma pessoa pode ter fobia de ovelhas, que são animais pacíficos e inofensivos que não causam medo na pessoa saudável, mas sim naqueles que têm fobia deles.

Ter medo de um tigre, por exemplo, é normal porque um tigre é realmente perigoso.

Etimologia de tanatofobia

O termo 'tanatofobia' vem do grego 'ϑάνατος' (leia-se 'tànatos') que significa 'morte' e de ϕόβος (leia-se 'fòbos') que significa 'medo'.

Necrofobia ou tanatofobia?

Enquanto na tanatofobia se tem medo de morrer, na necrofobia se tem medo de tudo que se relaciona direta ou indiretamente com a morte e os cadáveres.

Características do pânico-fobia

Aqueles que sofrem de tanatofobia têm um medo extremo de morrer.

No entanto, no caso da tanatofobia, o medo da morte é contínuo, extremo e altamente invalidante, pois a pessoa tem tanto medo de morrer que evita ações que para outros seriam completamente normais, como andar na calçada ou nadar no mar.

Nos casos mais graves, até mesmo imaginar a própria morte pode desencadear ataques de pânico.

Filmes, programas de TV ou histórias que contenham referências à morte podem ser insuportáveis ​​para um tanatofóbico.

Outros sintomas da tanatofobia, além do medo incontrolável, geralmente incluem:

  • sensação de morte iminente;
  • taquicardia (aumento da frequência cardíaca);
  • taquipneia (frequência respiratória aumentada);
  • hiperidrose (aumento da transpiração);
  • salivação diminuída;
  • anorexia (diminuição ou ausência total de apetite);
  • dispneia (sensação de falta de ar);
  • náusea;
  • vômitos;
  • desmaio;
  • reação de fuga (o sujeito literalmente foge).

O resultado dessa condição é que a pessoa que sofre de tanatofobia tende a evitar obstinadamente e sistematicamente todas as situações que possam ser perigosas para sua segurança.

Muitos empregos pode ser fechado para eles por esse motivo.

Nos casos mais graves, o sujeito evita completamente qualquer atividade que possa ser um pouco arriscada ou nada arriscada.

Nos casos mais extremos, a pessoa se isola do resto do mundo.

Outras patologias

O sofredor de tanatofobia pode sofrer simultaneamente de outras patologias de interesse psiquiátrico.

O tripanofóbico também pode ter outras fobias específicas, incluindo:

  • agorafobia (medo de espaços abertos);
  • claustrofobia (medo de espaços fechados);
  • fobia central (medo de lugares lotados em espaços abertos como praças no centro de uma cidade);
  • necrofobia (medo de coisas envolvendo morte e cadáveres);
  • demofobia (medo de lugares lotados).

Não raramente, o tanatophobe também sofre de transtorno obsessivo-compulsivo ou transtorno de personalidade obsessivo-compulsivo.

Freqüentemente, um transtorno de ansiedade generalizada também pode ser observado.

O tanatophobe também pode sofrer de depressão e fugas dissociativas (psicogênicas) em resposta ao estresse de ter sido exposto a situações de risco de vida.

Causas da tanatofobia

As causas da tanatofobia não são conhecidas atualmente.

Uma causa possível é o transtorno de estresse pós-traumático.

Por exemplo, ter arriscado a morte quando criança pode aumentar o risco de sofrer de tanatofobia.

Terapias

O tratamento da tanatofobia envolve várias abordagens, incluindo:

  • Terapia exposta;
  • terapia de exposição narrativa;
  • psicoterapia;
  • psicofármacos.

Diversas técnicas podem ser utilizadas em sinergia para aumentar o efeito terapêutico.

A terapia de exposição

A terapia de exposição 'força' o paciente a enfrentar a situação que gera o ataque de fobia: o sujeito é convidado a falar e/ou escrever repetidamente sobre o(s) pior(s) evento(s) traumático(s) que enfrentou, revivendo em detalhes todas as emoções associadas a situação.

Por meio desse processo muitos pacientes sofrem uma 'habituação' à resposta emocional desencadeada pela memória traumática, que consequentemente, com o tempo, leva a uma remissão dos sintomas da fobia quando a situação se repete na realidade.

A terapia de exposição – praticada por um período de tempo apropriado – ajuda cerca de 9 em cada 10 pacientes em nossa experiência.

Terapia de exposição narrativa

A Terapia de Exposição Narrativa (daí a sigla “NET”) é uma terapia de curto prazo para indivíduos que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático e, em alguns casos, de fobias.

O tratamento envolve a exposição emocional a memórias de eventos traumáticos e a reorganização dessas memórias em uma narrativa de vida cronológica coerente.

A terapia de exposição narrativa pode ser usada isoladamente ou em combinação com terapia de exposição, psicoterapia, medicina narrativa e/ou terapia medicamentosa.

Psicoterapia em casos de tanatofobia

A psicoterapia que tem mostrado bons resultados na tanatofobia e nas fobias em geral é a terapia cognitivo-comportamental.

A terapia cognitivo-comportamental padrão para o tratamento de fobias, além das intervenções comportamentais baseadas na exposição situacional, inclui psicoeducação inicial e intervenções cognitivas.

Dentro da psicoterapia cognitivo-comportamental, as técnicas expositivas têm se mostrado úteis na redução de comportamentos que provocam ansiedade.

Recentemente, estratégias têm sido implementadas para aumentar a capacidade dos sujeitos de manter contato com a ativação ansiosa sem temer suas consequências catastróficas, favorecendo a aceitação e diminuindo a necessidade de controlar os sintomas de ansiedade.

Medicamentos

Na tanatofobia, como em todas as fobias, podem ser usados ​​medicamentos ansiolíticos e antidepressivos.

Entre os ansiolíticos, os benzodiazepínicos (como Valium) podem ser úteis, pois proporcionam alívio sintomático ansiolítico instantâneo, mas os efeitos colaterais (se usados ​​por longos períodos) incluem o risco de dependência de drogas.

Entre os antidepressivos, os ISRS (Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina) são particularmente úteis.

As drogas geralmente funcionam bem para controlar a fobia, no entanto, os sintomas tendem a se repetir quando são descontinuados.

Os medicamentos devem ser tomados sob estrita supervisão médica.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Tricotilomania, ou o hábito compulsivo de arrancar cabelos e cabelos

Distúrbios de controle de impulso: Cleptomania

Distúrbios do Controle de Impulsos: Ludopatia ou Distúrbio do Jogo

Transtorno Explosivo Intermitente (IED): O que é e como tratá-lo

Conhecendo e tratando 9 tipos comuns de fobia

O que saber sobre ofidiofobia (medo de cobras)

Agorafobia: o que é e quais são os sintomas?

Fonte:

Medicina on-line

você pode gostar também